Onde investir em 2018: especialista indica opções para diferentes perfis
POSTADO EM 28 de November de 2017

Não deixe capital parado. Aproveite o novo ano para investir do jeito certo

Basta o mês de dezembro se aproximar para muitas pessoas começarem a perguntar sobre qual será o melhor investimento financeiro para o próximo ano e qual será a aplicação que vai gerar o maior resultado. Contar com a ajuda de quem já conhece os caminhos dos investimentos é o primeiro passo para quem deseja iniciar o ano investindo e preparando-se financeiramente para o futuro.

Então, vamos ao questionamento principal: qual será o melhor investimento para 2018? Flávio Alves, assessor financeiro da RP Investimentos, explica que não existe uma resposta pronta para essa questão. “Investir não é simplesmente criar um ranking com base na rentabilidade que cada investimento apresenta. É preciso saber que existe uma série de variáveis que diferenciam os tipos de investimento do mercado financeiro e entender que há um investimento específico para cada tipo de investidor”, explica.

Alves aponta que há três tipos de investidores: conservadores, moderados e agressivos. Os investidores conservadores costumam priorizar a segurança e a liquidez ao invés de alta rentabilidade e preferem investimentos nos quais é possível prever o retorno. Já o perfil moderado também gosta de ter segurança nos investimentos, mas aceita correr alguns riscos pequenos para ter maior retorno. Os agressivos, querem o maior tipo de retorno, entendendo que para isso devem assumir maiores riscos, tomando até decisões por conta própria. “Independentemente do perfil, é recomendado contar com a ajuda de quem conhece o mercado para minimizar os riscos de perda financeira nos investimentos”, diz.

Vale lembrar também que 2018 é ano eleitoral no Brasil. Como o pleito que vai definir a sucessão política nacional pode ser repleto de escândalos, tanto o cenário político como o econômico ganham contornos épicos. “Para saber qual é o melhor investimento, é preciso acompanhar as notícias que impactam diretamente o mercado financeiro, principalmente políticas, e checar constantemente as previsões financeiras. Com isso, é possível enxergar possibilidades e minimizar riscos”, finaliza Alves.

Conheça alguns investimentos adequados para cada perfil

Conservadores

Tesouro Direto Selic: é útil para quem deseja liquidez em 2018 (compra de um bem, por exemplo). Além disso, possui maior rentabilidade que a caderneta de poupança e com a mesma segurança.

Título de renda fixa: como CDB, LCI e LCA que, em geral, paga um percentual do CDI, taxa sempre muito próxima à Selic, e pode ter liquidez ou não dependendo da taxa contratada. Quanto maior o prazo para resgate maior a rentabilidade. Esses títulos possuem garantia do Fundo Garantidor de Crédito de até R$250.000,00 por CPF ou por Instituição emissora.

Fundos de Renda Fixa Referenciado: são fundos que aplicam pelo menos 95% do seu patrimônio líquido em ativos que acompanham determinado índice de referência, normalmente o CDI. Esses fundos aplicam seu patrimônio em títulos públicos federais, títulos de emissão privada com baixo risco de crédito e em cotas de outros Fundos de Renda Fixa Referenciados.

Moderados

Além das alternativas de aplicações recomendadas para os Conservadores, os investidores Moderados buscam maior rentabilidade em outras alternativas que apresentam um pouco mais de risco como as citadas abaixo.

Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) e Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA): Tem a vantagem da isenção de imposto de renda para o investidor (pessoa física) e pode apresentar rentabilidade maior que as alternativas de renda fixa mais conservadoras, mas não possuem a garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC).

Fundos Multimercados: são fundos que além de aplicar em títulos de renda fixa, possuem flexibilidade para a aplicação em diferentes tipos de ativos como ações, juros, moedas e derivativos. Por possuírem diferentes estilos de estratégia de gestão, apresentam maior risco tanto de crédito como de volatilidade.

Agressivos

Completando as alternativas citadas acima, ao investidores Agressivos ainda buscam maior rentabilidade em alternativas como:

Ações: títulos que representam uma fração do capital social de uma empresa. Ao comprar uma ação, o investidor se torna sócio da empresa e passa a correr os riscos do negócio, bem como participa dos lucros e prejuízos como qualquer empresário.

Fundos de ações: fundos que aplicam no mínimo 67% do seu patrimônio líquido em ações. Os fundos contam com gestores profissionais que buscam as melhores alternativas no mercado de renda variável.

Por:

COMENTE

Comentários