Umidificador em excesso pode ser tão prejudicial à saúde quanto o ar seco
POSTADO EM 9 de August de 2017

Pneumologista dá dicas de como evitar problemas de saúde nesta época do ano

O mês de agosto é famoso pelas baixas taxas de umidade do ar na região de São José Rio Preto. Nesta época, aumentam os casos de narinas ressecadas, asma, bronquite e rinite. Com índices de umidade que chegam a 20% durante o dia, enquanto o ideal é de 60%, algumas pessoas optam pelo uso contínuo dos aparelhos umidificadores de ar para melhorar a qualidade do ambiente. No entanto, essa atitude também pode provocar problemas de saúde.

O médico pneumologista da clínica Pronto Saúde, Fabiano Ferrari, explica que o uso de um umidificador sem interrupção, durante muitos dias, pode causar o surgimento de mofo e bolor nas paredes. “Para quem tem problemas respiratórios, bolor e mofo são tão prejudiciais à saúde quanto o ar seco”, diz.

Segundo o médico, o uso do umidificador deve ser controlado. “Nos quartos, por exemplo, o ideal é ligar o aparelho com antecedência de três a quatro horas, e desligá-lo antes de dormir”, explica. “Medidas mais simples, como deixar um balde de água ou uma toalha úmida no quarto podem ser mais adequadas para evitar os problemas com a formação de mofo”, ressalta o médico.

Além do uso controlado do umidificador ou de tolhas e baldes com água, há outra atitude para melhorar a qualidade do ar nas residências. Para fugir dos efeitos da baixa umidade, o pneumologista recomenda que os ambientes permaneçam sempre limpos. “Quanto mais seco o clima estiver, maior é a chance do desenvolvimento de ácaros no ambiente. Além disso, o acúmulo de poeira pode desencadear sérias alergias. Por isso, é essencial manter a higiene doméstica em dia. Passar um pano úmido nos móveis e no piso ajuda a tirar a poeira e a proteger a saúde respiratória”, finaliza.

Por:

COMENTE

Comentários