5 dicas de como fazer um plano de marketing
POSTADO EM 10 de August de 2018

O planejamento é fundamental para todo tipo de atividade de uma empresa. Por isso, saber como fazer um plano de marketing é essencial para garantir que os resultados da empresa saiam como o esperado.

Por isso, no post de hoje vamos listar 5 dicas de como elaborar um plano de marketing para a sua empresa. Confira!


1. Analise o ambiente interno e externo da empresa
O primeiro passo para fazer um plano de marketing é entender qual é o estado atual da sua empresa – e é fundamental ser honesto e reconhecer as falhas que ela pode ter. A melhor maneira de fazer isso é por meio da Matriz Swot (ou F.O.F.A.), que lista as forças, oportunidades, fraquezas e ameaças da empresa.

 

analise_swot

 
Forças
Ligadas ao ambiente interno da empresa, diz respeito a tudo aquilo que é um ponto positivo dela. Exemplos: alta margem de lucro, rapidez nas entregas, localização privilegiada, grande mix de produtos etc.

 
Oportunidades
Relacionado ao ambiente externo da empresa, diz respeito ao que ela pode aproveitar para melhorar os seus serviços ou resultados. Exemplos: chegada de uma universidade que vai propiciar mão-de-obra qualificada, alta do dólar que propicia a exportação, saída de um concorrente, criação de um novo bairro para possível expansão, entre outros.

 
Fraquezas
Ligado ao ambiente interno da empresa, diz respeito àquilo que ela tem de negativo (mas tem poder de mudança). Exemplos: má localização, colaboradores despreparados, alto preço comparado aos concorrentes etc.

 
Ameaças
Relacionado ao ambiente externo da empresa, ou seja, aquilo que ela não tem controle, mas deve se precaver para diminuir o possível impacto. Exemplos: alta do dólar que faz subir o preço dos insumos, aumento do desemprego que diminui as vendas, reforma das vias públicas que diminui o fluxo de pessoas em frente à loja, assim como outros fatores.

Outro ponto, nesse momento, é analisar especificamente o capital disponível para ações de marketing, o que inclui não só a divulgação, como também verbas para pesquisa e desenvolvimento, endomarketing, relações públicas, ações sociais etc.

 
2. Conheça o seu cliente
 

É necessário entender profundamente quem é e como se comporta o seu cliente. Esse tipo de análise deve levar em consideração fatores geográficos, demográficos e comportamentais.

 
Geográficos
Tamanho do público e qual a sua localização – países, estados, regiões, bairros e outros.

 
Demográficos
No caso de pessoas físicas: faixa etária, gênero, profissão, renda, idade, ocupação e assim por diante.

No caso de pessoas jurídicas: ramo de atividade, número de funcionários, tempo de mercado, reputação etc.

 
Comportamentais
Hábitos de consumo, benefícios procurados, frequência de compra, lugar onde costuma comprar, entre outros exemplos.

 

Além de analisar as informações atuais do público, é preciso pensar em seu potencial de futuro. Há 15 anos, as vendas de produtos pela internet eram muito menores do que são hoje. Quem se planejou para esse boom lá atrás provavelmente colhe frutos até hoje.

Por fim, atualmente é indicado a criação, também, de personas do seu público-alvo. Sobre isso, indicamos que você assista ao vídeo em que a nossa gerente de contas Marília Néspoli fala sobre a diferença entre público e persona:

 


 

3. Analise os concorrentes
 

Assim como você fez uma análise dos pontos fortes e fracos da sua empresa, é importante fazer o mesmo entre os seus concorrentes. Uma dica é usar uma tabela comparando a sua empresa e cada um dos seus principais concorrentes, atribuindo uma pontuação para os mais diversos quesitos.

Nesse ponto, entenda não apenas o que e como eles entregam, mas quais são suas propostas de valor, em que canais eles se comunicam, qual o principal público de cada um, qual a capacidade de investimento que eles têm, entre outras coisas.

 
4. Defina as estratégias e as ações
 

Com todos esses dados em mãos, chegou a hora de traçar a estratégia da sua empresa. Nesse momento, você vai definir como a sua empresa será vista pelos clientes, como vai se diferenciar dos concorrentes (dica: é mais fácil ter destaque ao atacar os pontos fracos dos concorrentes do que enfrentá-los onde são mais fortes), como vai resolver os problemas que os clientes têm, como vai potencializar seus pontos fortes e diminuir os fracos, como pode aproveitar as oportunidades e se defender das ameaças, quais serão os canais de comunicação etc.

A ideia é definir essas estratégias e, depois, criar um cronograma com o plano de ação para cada uma delas, a fim de ter sucesso ao fim do período estipulado para o plano de marketing.

 
5. Monitore as ações
 

Com tudo isso feito, só resta o monitoramento das ações. Esse é um momento importante, pois é o que vai garantir que aquilo que foi feito está sendo executado (olhando o cronograma) e se os resultados almejados estão sendo obtidos (olhando os resultados).

Caso algo saia do planejado, ainda dá tempo de fazer mudanças no plano de ação – mas nunca perdendo de vista os objetivos finais. Ao fim das ações, o ideal é discutir tudo o que deu certo e errado para servir como aprendizado e iniciar o processo novamente, com novas metas.

Se você quer ainda mais detalhes sobre como montar um plano de marketing, indicamos este e-book do Sebrae. Se gostou do conteúdo, não deixe de curtir nossas redes sociais e se informar em primeira mão sobre nosso conteúdo. Estamos no Facebook, Linkedin e Youtube!

 
 

Por:

COMENTE

Comentários